Ciganos

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Cigana Ilarim



Ilarim era morena, cabelos pretos e olhos negros. Nasceu em Punjab, na Índia. Seu grupo partiu para Turquia e ali Ilarim desencarnou. Teve os pulmões afetado e veio a falecer com 15 anos. O lugar onde o Cigano faz a passagem é a sua Pátria. Porém seu espírito continua com o seu grupo, que mais tarde emigrou para Portugal, Espanha e chegou ao Brasil. 


Foi então que Bel-Karrano, deu o consentimento para ela entrar na áurea das mulheres não ciganas. Ilarim ajudou muito seu grupo em fugas, por isso ela tem a magia de ajudar os necessitados. Adora roupas indianas, gosta de frutas, comidas picantes, assados com frutas em caldas, hortelã picado numa taça com vinho branco, perfumes e flores do campo.


Usa um anel com diamante e costuma dizer que esta pedra é a purificação da cabeça do corpo e da alma. Essa cigana tem a muita magia e encanto. No fundo é uma feiticeira.


Sua família era tradicional no comercio de jóias, eram bedónis que se fizeram bastante presentes em toda a Andaluzia. Ela tinha o mesmo jeito brejeiro que tem hoje, mas com uma visão “extra” que assustava ate mesmo os que não queriam crer no que ela dizia. Ela tinha uma ligação muito forte com os anjos e arcanjos, mesmo sem ninguém ter ensinado. Adormecia pessoas, descobria segredos, fazia aparecer objetos perdidos.


Não foi iniciada nos ritos tradicionais do “Khértia Drom” e nem no “Roti Diena”, foi autorizada pelo Barô assim, foi considerada um Latatcho (que em Romani, quer dizer “aquele que nasce pronto”, e participava de todas as iniciações como preletora. Sendo que nos primórdios, colocou alguns ensinamentos nestes ritos que abrilhantaram ainda mais a vida de quem se submeteu a eles. Sendo o Roti Diena praticamente aperfeiçoado por ela. Como até hoje este é um dos ritos mais difíceis de se executar (pois existem poucos habilitados que também passaram por isso nos acampamentos, para isso), ela trouxe para o primordial Roti, Vida!


Seus poderes eram muito mentais, muito falante e meiga, tratava todos com muito carinho, mas buscava incessantemente saber o que ia dentro de cada um. Sendo assim e como sempre acontece, veio até ela de muito longe um Joneshti, um moldovio, para ser iniciado no Roti Diena, ela se encantou logo que o viu! Lembrando dos olhos dele. Logo viu que aquele aquele cigano podia bem traze-la na palma da mão, ele não foi indiferente, embora preocupava-se com o rito para o qual viera de tão longe, ficou encantado sabendo-a proibida.


Ela sempre trabalha abraçada com as rosas vermelhas, pois esta simboliza o amor. E é isso que Ilarim quer espalhar o Amor e o Crer para ver!

Seu principal ditado é: Creia antes de pedir!